10 de novembro de 2010

Não queremos passar

Cantoria em altos brados. O som atravessava paredes e chegava até aos telhados.
Amigas inseparáveis, mãos dadas em ritmo de dança. Éramos apenas crianças.
"Passa passará que o detrás ficará."
Passavam as primeiras e ficava a última para escolher a fruta mais saborosa. Escolhia-se não a fruta, mas
a amiga do coração, aquela que por ser tão querida, faria logo um grande cordão.
"A porteira está aberta para quem quiser passar."
Passavam muitas, os olhos brilhavam e os sabores variavam, entre morango, uva e amora, e cantávamos
com a mesma ternura de quem namora.
Flores perfumadas com cheiro de jasmim invadiam a rua e, tão logo, para abrilhantar chegaria a lua.
"A porteira está aberta..."
Passam sonhos, ilusões, passam amores, corações, passam tristezas, desilusões. A vida exige que seja assim; continuamos a trocar figurinhas, relembrar histórias e pular amarelinha. Com o bolso cheio de esperança, ainda nos sentimos crianças.
"Passa, passará a porteira segue aberta e nós, não queremos passar."

Autora: Nara Freitas.

3 comentários:

Velazquez disse...

viajei em suas palavras e me vi lá naquela esquina da sua casa, observando e sorrindo, enquanto vocês brincavam.
Você está suspensa pelas estrelas mas quem pega carona na cauda dos cometas sou eu mesma...hahaha! Adoro ler suas poesias, poemas ou textos. Como professora de português, bem que poderia ensinar-me a distinguir uma coisa da outra...
Bjus e vamos arrumar essas configurações do seu blog, porque elas estão "o quadro da dor"!

Betina Schaurich disse...

Adorei o texto, professora! O blog está muito bonito, estou seguindo...

Tataia disse...

Narita, gostou do layout?
Quando quiser que eu mude, ou te ensino ou faço pra ti.
Bjus
Viu que o perfil se alinhou?